5 previsões econômicas para 2017 que vão influenciar o mercado imobiliário


mercado-imobilia-rio-em-balnea-rio-camboriu-2016-960x540-418599.jpg

Nos últimos meses, as notícias com relação ao mercado imobiliário têm sido mais animadoras, mostrando que a crise que atingiu o setor já está mais fraca e que a retomada do crescimento está voltando.
 

É claro que o cenário ainda não é dos mais favoráveis, já que o país continua em recessão. Mas as boas notícias dos últimos meses estão fazendo com que a confiança neste mercado volte aos poucos.
 

Com isso, há também o aumento de expectativas para os negócios no próximo ano, levando a previsões mais otimistas para 2017. Veja quais são as principais perspectivas para os meses que estão por vir e como elas podem impactar o setor imobiliário:
 

Queda na inflação
 

Com toda certeza, um dos principais motivos que fez com que o mercado imobiliário ficasse retraído foi a inflação, que voltou com força nos últimos anos. Mas, de acordo com as previsões de especialistas em economia, a inflação está em fase de desaceleração, o que permite que os negócios voltem a ficar mais aquecidos.
 

A inflação brasileira saiu de 10,7% em 2015 para, aproximadamente, 7,2% em 2016, o que mostra que ela vem caindo, aos poucos. E as notícias são ainda mais animadoras, uma vez que para 2017, a previsão para a inflação é de 5,07%, conforme divulgação do Banco Central no último Relatório Trimestral de Inflação.
 

E não para por aí. O presidente do Banco Central já informou que tentará conseguir atingir meta central de inflação de 4,5% estipulada para o próximo ano.
 

Taxa de juros desacelerada
 

Não tem como negar que a alta da taxa de juros fez com que muitas pessoas repensassem a compra da casa própria nos últimos tempos. Isso porque quando a taxa é mantida alta, o crédito fica mais difícil, o que acaba inibindo o consumo e a injeção de capital das empresas no mercado, fatores que movimentam a economia.
 

No entanto, informações do mercado financeiro para o próximo ano dão conta de que a estimativa da taxa de juros é de 11%, o que presume uma queda maior em 2017. Isso irá fazer com que o consumidor fique mais confiante no mercado, podendo investir em bens de consumo mais caros, como os imóveis.
 

Aliás, essa melhora no mercado imobiliário já vem sendo notada, de acordo com o Raio-X FipeZAP do 3º trimestre de 2016. Essa pesquisa mostrou, por exemplo, que o consumidor não vem mais classificando o preço da casa própria como muito alto, como na avaliação anterior.
 

Crescimento do PIB
 

A recuperação do mercado imobiliário está diretamente relacionada ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), visto que é esse índice que acompanha o comportamento da economia brasileira, assim como mostra todos os bens e serviços feitos no Brasil.
 

Diante disso, a previsão é favorável para o novo ano, uma vez que o Banco Central acredita em um cenário mais satisfatório em 2017 do que aquele vivido em 2016. Para que se tenha ideia, a instituição prospecta um crescimento de 1,3% nos próximos meses.
 

E não é só isso. De acordo com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), é esperado que a economia brasileira atinja seu ponto mais baixo nesse ano para ter um crescimento positivo em 2017. Desta forma, o fundo estima um avanço de 0,5% no PIB, contra uma projeção de crescimento nula feita nos dois últimos levantamentos do órgão.
 

Aumento nos investimentos
 

Com as perspectivas positivas desses órgãos, a projeção fica favorável, também, em outros indicadores, que voltam a crescer. Com isso, os investimentos devem chegar ao fim de 2017 com uma alta de 4% ante uma queda de 8,7% em 2016.
 

Diminuição do número de desempregados
 

Com o aumento da empregabilidade, todos os setores da economia também sofrem grande influencia. E a boa notícia para 2017, de acordo com economistas, é que o desemprego deve ceder. Essa mudança também deverá influenciar positivamente o mercado imobiliário, visto que as possibilidades em relação à condição financeira permitem que as pessoas comprem mais, aquecendo a atividade econômica.

 



Fonte: Paulo Roberto Leardi

 


 

 


Voltar

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSAS NOVIDADES